RGCE Transportes 2015 distinguirá as frotas de transportes mais eficientes com prémio de até 250 mil euros

0

Os comportamentos mais amigos do ambiente adotados ao nível das empresas de transporte e das suas frotas têm aqui uma oportunidade de ver os seus esforços compensados. O Fundo de Eficiência Energética (FEE) abrirá brevemente o período de candidaturas para atribuição de incentivos financeiros a projetos cujos objetivos passem pela melhoria da gestão energética de frotas de transportes com elevados consumos de energia. O programa que atribuirá tais verbas designa-se RGCE Transportes 2015 e enquadra-se no Plano Nacional de Ação para a Eficiência Energética (PNAEE).

A 4 de maio de 2015 abrem candidaturas para a concessão de incentivos financeiros a projetos que tenham como objetivo melhorar a gestão energética das frotas de transportes consumidoras intensivas de energia.

O “RGCE Transportes 2015“, programa enquadrado no “Plano Nacional de Ação para a Eficiência Energética (PNAEE)”, destina-se a apoiar o desenvolvimento de auditorias energéticas e planos de racionalização de energia em empresas com frotas de consumo superior a 250 tep/ano. Excetuam-se as abrangidas pelo regime do comércio europeu de licenças de emissão previsto no Decreto-Lei n.º 38/2013, de 15 de março.

As candidaturas devem ser apresentadas ao FEE (Fundo de Eficiência Energética) através do preenchimento e submissão de formulário próprio, disponível na área reservada do beneficiário no FEE até às 18 horas de 3 de agosto de 2015

A dotação orçamental máxima a atribuir à totalidade das operações é de 250 mil euros.

Todas as orientações gerais e técnicas para apoio à apresentação das candidaturas estão disponíveis no site do FEE.

O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é o instrumento financeiro do Plano Nacional de Ação para a Eficiência Energética (PNAEE) e tem como principal objetivo contribuir para a melhoria da eficiência energética do país, através de uma redução em 25% do consumo até 2020.

Através deste fundo é possível apoiar projetos tecnológicos nos setores dos transportes, residencial e serviços, indústria e Estado ou ações transversais que induzam a eficiência energética nas áreas dos comportamentos, fiscalidade, incentivos e financiamentos.

Para além destas áreas, também poderão ser alvo de financiamento os projetos que, não estando previsto no PNAEE, contribuam para a eficiência energética.

Fonte: Fleet Magazine

Share.
Saiba mais sobre:   Nacional

Leave A Reply