Parlamento dos Açores discute falhas no transporte de carga e o seu peso na economia

0

O transporte de carga foi um dos principais temas em discussão no Parlamento dos Açores durante a sessão de ontem. À direita, na bancada do CDS-PP, defende-se que o Governo regional deve urgentemente adquirir um avião mini-cargueiro porque a economia da região está a ser “estrangulada” pela oferta insuficiente a nível do transporte entre ilhas. Já o PS, partido no poder naquele arquipélago, responde que a companhia regional SATA assegura o cumprimento da tarefa com sucesso, que o problema principal reside no transporte para o continente e será solucionado em breve.

A opinião foi manifestada hoje, numa declaração política no parlamento dos Açores, reunido na cidade da Horta, pela deputada Ana Espínola, que referiu que os aviões da SATA Air Açores não têm capacidade de resposta suficiente em matéria de carga.

“Continuamos a ouvir os produtores e os empresários a queixarem-se, com muita frequência, da falta de capacidade de carga da SATA ou a assistir a limitações de operação em diferentes portos da região”, afirmou a deputada do CDS, acrescentando que a solução mais “racional, eficiente e barata” seria a aquisição de um avião mini-cargueiro.

Os centristas dizem já ter feito as contas ao investimento e que a compra de um avião novo deverá custar aos cofres da região “cerca de um milhão de dólares”. Mas se a opção for um avião usado, isso representará um custo de “200 mil dólares”.

“O preço por quilo de carga transportada varia entre 30 a 40 cêntimos e, se devidamente articulados os horários dos transportes aéreos, consegue-se escoar para o exterior os produtos da pesca, da agricultura, da floricultura, do artesanato ou outro tipo de carga, no mesmo dia”, insistiu.

Ana Espínola recordou que, em 2011, a maioria socialista aceitou realizar um estudo de viabilidade financeira da aquisição do avião mini-cargueiro e lamentou que passados quatro anos “ninguém” conheça o resultado desse estudo.

“A economia açoriana está estrangulada pelos transportes, particularmente as ilhas mais pequenas, que necessitam de uma rede de transportes articulada, promotora de receita e indutora de mais-valias”, afirmou a deputada do CDS.

No debate que se seguiu, a maioria PS no parlamento açoriano defendeu que o investimento no avião cargueiro não se justifica nos Açores porque a companhia aérea regional (a SATA) continua a dar resposta ao transporte de mercadorias inter-ilhas.

“Ao longo dos últimos anos temos melhorado a capacidade de distribuição interna dos nossos produtos, entre as nossas ilhas e temos tido a capacidade de criar um mercado interno que funcione bem”, destacou o deputado Francisco César.

No seu entender, o problema não reside no transporte de carga inter-ilhas, mas sim entre os Açores e o continente, mas lembrou que haverá mudanças a este nível a partir do próximo mês

“Neste momento está definido um conjunto de obrigações de serviço público de carga que permitirá que essa carga possa ser feita a partir de 1 de junho em avião cargueiro ou através de uma subcontratação”, destacou Francisco César.

Por: LUSA | Fonte: Açoriano Oriental

Economize em combustível e melhore a eficiência dos seus transportes com soluções de gestão de frotas por GPS.

Share.
Saiba mais sobre:   Atualidade e Ambiente

Leave A Reply