“Alternativa à privatização são despedimentos e TAP em miniatura”, avisa Passos Coelho

0

As primeiras reações ao anúncio de greve dos pilotos da TAP e Portugália foram de aparente surpresa. Porém, o discurso é agora mais dramático e de maior responsabilização. No debate quinzenal de hoje na Assembleia da República, Pedro Passos Coelho respondeu às perguntas colocadas acerca da greve programada pelo Sindicato dos Pilotos de Aviação Civil (SPAC) para durar dez dias, dizendo que tal protesto compromete o futuro da TAP e dos seus trabalhadores.

Pedro Passos Coelho reagiu com dramatismo à greve de 10 dias na TAP esta sexta-feira no debate quinzenal na Assembleia da República. Respondendo ao líder parlamentar do CDS, o primeiro-ministro alertou para o risco de se vir a ter “uma TAP em miniatura” que não servirá a quase ninguém e acenou com um despedimento coletivo.

“Não se percebe [esta greve]. O Governo estabeleceu um acordo e este acordo não foi cumprido. E é perverso porque uma greve destas pode pôr em risco a própria empresa no curto prazo”, diz o primeiro-ministro, acrescentando: “Quem julga que impedindo a privatização da empresa estará a empurrar com a barriga, está enganado porque está a criar um problema maior”.

Segundo Passos, a alternativa à privatização em curso “é o despedimento coletivo, venda de aviões, cancelamento de rotas, é ter uma TAP em miniatura que não servirá os interesses do país e dos trabalhadores”. Durante o debate, nenhum dos partidos da oposição se referiu a esta greve.

Também o presidente da TAP, Fernando Pinto, tem vindo a alertar para que a greve anunciada pelos pilotos pode pôr em causa a empresa, representando um custo de 70 milhões de euros.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro também se tinha referido à greve na TAP, lamentando “profundamente esta situação”. Na altura, não quis pronunciar-se sobre uma eventual requisição civil e apelou a que “esteja ao alcance do sindicato dos pilotos poder repensar esta atitude” já que a decisão dos pilotos pode ter “uma consequência perversa sobre o resultado que se espera” da privatização da TAP.

O Governo pretende privatizar 66% do capital social da empresa. E é isso que o maior partido da oposição contesta. O PS, pela voz do deputado Rui Paulo Figueiredo, apelou na quinta-feira ao Governo para que “pare imediatamente” com o processo de privatização da TAP, alegando uma situação de “caos” na empresa e ausência de legitimidade política de um Executivo em final de mandato.

Mas Rui Paulo Figueiredo também se demarcou do teor de algumas das reivindicações feitas pelo sindicato dos pilotos da TAP (que ameaça fazer greve entre 1 e 10 de maio), embora sempre ressalvando que o Executivo estará a “esconder documentos” paralelos ao memorando assinado em dezembro.

Por: Helena Pereira | Fonte: Observador | Fonte (imagem): João Relvas / LUSA

Share.
Saiba mais sobre:   Nacional

Leave A Reply